Nutrire: valoramos quien valora usted!

Menu

Gostou desse conteúdo? Preencha o formulário abaixo para receber mais novidades exclusivas do nosso blog:

Você gosta de cães ou gatos?

19.05.2021

Como saber se o cão está sofrendo com a ansiedade?

Lambedura excessiva, hiperatividade e inapetência são alguns sinais de que seu cão está sofrendo com a ansiedade. No post de hoje, a especialista da Nutrire, Dra. Luana Sartori, vai explicar como identificar um cão ansioso e o que pode estar ocasionando esse problema.

“O primeiro passo é entender que ter um pet de estimação em casa é garantia de alegria para a família toda, mas é importante lembrar que o animal tem vontade própria e muita energia para gastar, principalmente quando filhote”, diz Luana.

Para que o pet viva com mais tranquilidade, é necessário que ele se alimente bem, brinque, gaste essa energia, seja amado e, claro, esteja bem de saúde e com as visitas ao veterinário em dia.

Como identificar um cão ansioso?

Os cães podem se tornar mais agressivos ou simplesmente se tornarem quietos e tristes, com comportamentos bem diferentes do normal. Arrancar os pelos, lamber excessivamente as patas, perder a fome ou apresentar sinais de compulsão pelo alimento são indícios do problema.

Além disso, feridas de difícil cicatrização, latidos incessantes, medos em excesso ou choros repentinos são sinais de algo está errado. Qualquer situação de mudança de comportamento deve servir de alerta para os tutores.

O que causa ansiedade em cães?

Alguns fatores podem desencadear o transtorno de ansiedade em cães. A falta de passeios e brincadeiras com o tutor é um dos motivos mais identificados pelos especialistas em comportamento animal.

“O pet precisa gastar energia interagindo com seus donos. Quando você não dá a devida atenção ao seu bichinho, ele começa a acumular energias que deveriam sair. Com o passar do tempo, isso vai se transformando em ansiedade”, alerta Luana.

A solidão e o excesso de barulhos em casa também podem causar ansiedade nos pets. Baixa socialização com outros animais/pessoas e a separação de seus tutores são motivos identificados nesses casos.

“Além disso, é preciso ensinar as crianças a serem delicadas com os animais, a não puxarem ou machucarem, pois isso também causa problemas de comportamento”, acrescenta Luana.

O que fazer em casos de ansiedade canina?

O primeiro passo é analisar como a família se porta no dia a dia, pois se a casa é mais agitada, o cão certamente será mais ansioso. "Evite gritar com o animal, isso o deixa com medo e, consequentemente, pode torná-lo agitado", indica.

Outra dica interessante é premiar o cão quando estiver calmo. "Se está deitado, relaxado, descansando, dê um petisco que ele gosta sem falar nada ou com a voz mais suave possível. Isso ajuda o animal a compreender que ficar tranquilo pode ser gratificante", explica.

A especialista orienta que o pet jamais seja recompensado no momento da bagunça. "Se o animal estiver muito agitado, o ideal é que você o ignore por alguns minutos até que se acalme. Quando ele relaxar, aí sim, você dá o presente, seja um petisco, um brinquedo ou um carinho", conta.

Exercite o cão ao menos 30 minutos por dia

Outro ponto indispensável é ajudar o cão a gastar energia. "Todo animal acumula essa energia e precisa correr, caminhar ou brincar para gastar as calorias. É preciso tirar um tempo no dia para levar o bichinho na rua e fazer com que ele se exercite ao menos 30 minutos diariamente. Não adianta todas as técnicas do mundo se o animal não gasta a energia que acumula", avalia Luana.

Música clássica para acalmar o pet

Após as brincadeiras, uma boa dica é que os pets tenham contato com a música para que relaxem com harmonia. "Muito embora o cão seja um animal domesticado, o instinto ainda torna sua audição aguçada e faz com que ele reaja aos sons do ambiente. Como dito anteriormente, quanto mais gritos o animal escutar, mais agitado ele ficará", completa.

Se o pet se acostumar com sons calmos, como uma música mais lenta, por exemplo, e esse som for ininterrupto e constante, haverá associação de tranquilidade, aconchego e segurança.

Massagens também podem tranquilizar o animal

A especialista recomenda que nos momentos de interação no sofá ou na cama, você massageie o pet. "Não tem segredo em fazer uma massagem no cão, você pode começar pela cabeça, passar pelo corpinho e terminar nas patas. Faça movimentos circulares e converse calmamente com o animal durante esse processo", diz.

Saiba a hora de buscar ajuda

A especialista orienta que em casos mais severos, onde o cão usa a agressividade como ferramenta de comunicação, é preciso contatar um profissional que entenda do assunto para domesticá-lo. "Para evitar acidentes, principalmente com as crianças, o ideal é que um adestrador seja contatado para auxiliar a família", finaliza.

Ademais, casos onde os hábitos se alteram muito rapidamente devem ser avaliados pelo especialista. “Animais que param de se alimentar ou ficam apáticos podem estar doentes. Por isso, a indicação é de que se busque ajuda sempre que o pet apresentar mudanças bruscas de comportamento. O médico veterinário poderá dizer com segurança se o seu melhor amigo está ansioso ou com algum outro problema de saúde”, conclui.

Volver
12.06.2019

¿Cómo luchar contra pulgas y evitar infestaciones?

Lea más
11.01.2018

Llegaron las vacaciones. ¿Llevar o no la mascota?

Lea más
26.10.2018

Nutrire participa de feria en India

Lea más