Nutrire: valorizamos quem valoriza você!

Menu

Gostou desse conteúdo? Preencha o formulário abaixo para receber mais novidades exclusivas do nosso blog:

Você gosta de cães ou gatos?

19.01.2022

Dicas para proteger seu pet na piscina

Você sabia que afogamento é a maior causa de mortes não intencionais de crianças no Brasil? Considerado um grande vilão da saúde pública, esses acidentes não atingem somente os pequenos, mas também os animais de estimação.

Por não se dar a devida importância ao fato, é até difícil encontrar dados de quantos pets se acidentam em piscinas no Brasil, mas já se sabe que o aumento do fluxo nas clínicas veterinárias relacionados a acidentes em piscinas é considerável. 

Pensando nisso, nossa veterinária, Dra. Cecílie Papais, faz alguns alertas e dá dicas de como proteger nossos melhores amigos.

Vamos conferir?

Pets não sabem nadar 

O primeiro ponto é desmistificar essa história de que os pets sabem nadar. Alguns até podem fazê-lo logo que caem, mas a exaustão é a principal causa de óbito. 

Além disso, algumas raças tendem a afundar com muito mais rapidez do que outras. O importante é entender o problema e investir na prevenção. Além disso, o pet deve ser alimentado de duas a três horas antes de brincar na piscina.

Como prevenir seu pet na piscina?

Manter cercas em volta das piscinas ou telas sobre elas são iniciativas simples que podem evitar muitos acidentes. 

Acredite, alguns animais podem se jogar na água porque não têm noção da gravidade que enfrentarão, para eles, tudo é brincadeira!!

Não pense que se a piscina possui escada ou rampa é mais segura para os pets. Os animais molhados pesam mais, o que dificulta bruscamente a saída da água. 

 

Para os pets que apreciam a piscina

Há famílias que têm o hábito de aproveitar esses momentos com seus pets. Alguns até gostam deste tipo de diversão.

Para estes, a indicação é utilizar um colete salva-vidas, da mesma maneira que fazemos com crianças. 

No entanto, o mais importante ainda é a supervisão integral do que seu pet faz dentro da piscina. 

E não esqueça: quando a brincadeira acabar, o acesso do animalzinho sozinho à área do reservatório deve ser proibido.

Prevenção ainda é o melhor remédio

Outras dicas fundamentais para manter o cãozinho saudável é retirar todo o cloro do corpo do pet depois do banho na piscina. 

Afinal, o cloro é prejudicial à pele do animal, bem como o sol em excesso. Há produtos específicos para evitar queimaduras nos pets. 

Evite utilizar protetor solar humano na pele do seu melhor amigo, o ideal é pedir a orientação do melhor produto para seu médico(a) veterinário(a).

Piscina somente quando o sol dá uma trégua, nunca exponha o pet ao calor muito forte. Escolha, preferencialmente, dois horários: antes das 10h e depois das 16h.

E você, ficou com alguma dúvida? Tem alguma dica de segurança para os pets na piscina para compartilhar? Deixe um comentário e até mais.

Voltar
19.01.2018

Birbo é parceira no adestramento do Cusco, novo cachorrinho do Guri de Uruguaiana

Leia mais
19.06.2018

Nutrire participa de feira em Joinville

Leia mais
16.03.2018

Adotar é um ato de amor, carinho e estabilidade

Leia mais